NOSSA HISTÓRIA

Pr. Ricardo Pena

Em princípio, a Comunidade Cristã do Caminho nasceu para congregar uma família e alguns vizinhos, onde    nos reuníamos para evangelizar e adorar ao Senhor no jardim de minha residência, porém, logo percebemos da dimensão do chamado de Deus para contribuir com a salvação não só de um grupo, mais de uma comunidade inteira, cumprindo assim a vontade do Altíssimo.

Com dois meses, o Senhor nos abençoou com um lugar para louvarmos o seu nome como igreja e pregarmos a palavra de maneira mais abrangente, pois nossa vontade é que Deus cumpra a Sua vontade em nós, pois arde em nossos corações o desejo de ver pessoas salvas, edificadas na fé, transformadas, restauradas e abençoadas por Deus através de nossas vidas.

Em 1º de março de cada ano comemoramos o nascimento de nossa comunidade que acredita que o Evangelho de Jesus Cristo é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê e que procura viver segundo a vontade de Deus expressa nas escrituras, pois sem a ação Dele, somos incapazes de realizarmos algo.

Pr. Ricardo Pena

NOSSA MISSÃO

Proclamar e ensinar o Evangelho de Jesus Cristo e vivê-lo a partir do amor de Deus manifesto através da comunhão com os irmãos, serviço ao próximo e adoração a Deus.

NO QUE CREMOS

 

CREMOS

num Deus que é eterno, Todo-poderoso e absolutamente Santo, que tem se revelado ao homem como auto existente em três pessoas distintas em seu ser: o Pai, Jesus Cristo e o Espírito Santo. (Mateus 28.19; 2 Coríntios 13.14; João 14.15-17);

CREMOS

que a Bíblia, composta de Antigo e Novo Testamento, é a eterna inspirada e infalível, Palavra de Deus em sua totalidade e é o padrão supremo e autoridade final para a conduta de fé e prática. (2 Timóteo 3.16-17;1 Coríntios 2.13; 2 Pedro 1.19-21);

CREMOS

na criação, tentação e queda do homem como registrados nas sagradas Escrituras; na depravação espiritual total do homem e sua incapacidade para alcançar retidão divina. (Gênesis 3; Romanos 5.12, 18; 8.1-9; 6.23; 3.23; 7.18, 21-25);

CREMOS

no Senhor Jesus Cristo, salvados dos homens, concebido pelo Espírito Santo, nascido da virgem Maria, sendo verdadeiro Deus e verdadeiro homem. (Lucas 1.26-35; João 1.18; Isaías 7.14);

CREMOS

que Cristo morreu por nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia e pessoalmente apareceu aos seus discípulos. (1 Coríntios 15.1-6,9; Romanos 4.25);

CREMOS

na ascensão corporal de Jesus no céu, e sua exaltação como Rei dos reis e Senhor dos senhores. (João 14.1-3; Filipenses 2.9-11; Apocalipse 17.14; 19.11-17);

CREMOS

no retorno pessoal e literal de Cristo (segunda vinda) para a igreja (1 Timóteo 6.14-16; 1 Tessalonicenses 4.13-18; Mateus 24.30-31, 42, 44);

CREMOS

na salvação de pecadores pela graça, através do arrependimento e fé na obra perfeita e suficiente na cruz do calvário, pelo qual obtemos perdão dos pecados. (Efésios 2.8-9; Hebreus 9.12-15; Romanos 5.11);

CREMOS

no sacramento do batismo em águas no nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo para cumprir a grande comissão de Cristo. (Mateus 28.19; Atos 2.34-36; 19. 1-6);

CREMOS

no batismo no espírito Santo como uma espiritual e poderosa experiência distinta da conversão, e na experiência bíblica de falar em outras línguas como o Espírito habilita. (Atos 2.1-4; 8.14-17; 10.44-46; Gálatas 3.14-15; Romanos 8.26-27;1 Coríntios 14);

CREMOS

na operação dos dons do Espírito como enunciado em 1 Coríntios 12-14 e como manifestado na Igreja Primitiva;

CREMOS

na vida cheia de Espírito, uma vida de separação do mundo aperfeiçoando a santidade no temor do Senhor como uma expressão da fé cristã. (Efésios 5.18; 2 Coríntios 6.14;7.1);

CREMOS

na cura do corpo pelo poder divino em seus vários aspectos como praticado na igreja primitiva. (Atos 4.30; Romanos 8.11;1 Coríntios 12.9; Tiago 5.14);

CREMOS

na mesa de comunhão, também chamada de a ceia do Senhor para crentes, como uma celebração comemorativo do corpo de Cristo e nossa redenção pelo seu sangue;

CREMOS

na vida eterna para os crentes, em céu literal onde viveremos e reinaremos com Cristo (João 5.25); castigo eterno para os incrédulos e um inferno literal para aqueles que rejeitam a Cristo. (Marcos 9.43-58; 2 Tessalonicenses 1.9; Apocalipse 20.10-15);

CREMOS

na realidade, personalidade e julgamento eterno de Santanás e seus anjos (Mateus 25.41; Apocalipse 20.10-15);

CREMOS

que a forma bíblica de governo da igreja é uma liderança plural com um ministro que se qualifica biblicamente em vida espiritual, caráter, vida familiar, habilidade para liderar e graça pastoral. (1 Timóteo 3.1-7; Tito 1.5-9; 2 Timóteo 4.1-2; 1 Pedro 5.1-2).

CREMOS

que a igreja local é completamente autônoma, isto é: autogovernada, autossustentada e autopropagada em seu estado de maturidade;

CREMOS

que todo crente em Cristo deve estar sujeito à uma autoridade constituída por Deus em uma igreja local, para acompanhamento, crescimento espiritual e frutificação. (Hebreus 13.17);

CREMOS

que Deus quer abençoar todas as famílias da terra e que elas são constituídas por um homem e uma mulher, onde os filhos são concebidos, criados e ensinados. (Gênesis 2.24; 12.3).