A Todos Amar

A TODOS AMAR

Texto:
Romanos 12. 14-16
Propósito:
Desafiar-nos a vivermos uma vida autêntica diante dos outros crentes e dos não crentes.

Introdução:
O apóstolo Paulo descreve através desses versículos, com muita coerência o comportamento cristão. O amor é o grande princípio normativo dessa ação. Na Comunidade do povo de Deus cada crente é chamado para efetivar o amor ao próximo por meio de ações.
A partir do versículo 14, Paulo mostra que esse princípio do amor cristão deve aplicar-se, abraçando também o mundo exterior. Deus amou o mundo (Jo 3. 16), isto é, a humanidade inteira, espera-se de nós a mesma amplitude de amor.

Vejamos o que podemos diante da sombra do amor de Deus, investir nas outras pessoas e em nós mesmos:

I) Abençoai os que vos perseguem (Ver. 14)
a) Se a esperança cria largueza de coração para com os perseguidos, também cria capacidade de amar e bendizer os próprios perseguidores;
b) O mandamento do Senhor é amar e bendizer os nossos inimigos e perseguidores (Mateus 5. 44);
c) Algumas vezes as crises pelas quais passamos podem nos levar a um sentimento de vingança em relação as pessoas que nos prejudicam. É aí que se percebe a diferença de estar em Cristo ou não (Mateus 5. 10-12 / Filipenses 2. 5).

II) Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram (Ver. 15)
a) Paulo fala na graça cristã da empatia, que de acordo com o dicionário é a capacidade de se identificar com a outra pessoa, de sentir o que ela sente;
b) Há aqui uma advertência: Porque é mais fácil chorar com os que choram do que se alegrar com os que se alegram?
c) Por que é comum à natureza humana chorar pelos que sofrem, contudo, podemos cair no pecado da inveja ao vermos uma pessoa obtendo sucesso. No entanto quem ama ficará sempre feliz com a alegria da pessoa amada;
d) Então, quanto mais egoístas formos menos inclinados a identificarmos com os outros seremos. Em contrapartida, quanto mais dedicados formos, maior será a nossa empatia por nossos semelhantes.

III) Tende o mesmo sentimento uns para com os outros (Ver.16)
a) A edição da Bíblia revista e corrigida traduz o versículo 16 da seguinte forma: “ Sede unânimes entre vós”. De fato, Paulo está focalizando a necessidade de harmonia entre os irmãos.
b) Exemplo do purê de batatas;
c) O próprio Senhor Jesus nos informou que a nossa unidade é um meio eficaz para testemunho cristão (João 17. 23);
d) A vida em unidade é o compartilhar incondicional de nossa vida com os outros membros do corpo de Cristo.
IV) Condescendei como que é humilde (Ver 16)
a) Cristo trouxe uma nova ordem, pois em sua família o prestígio social não mais distingue os filhos. Exemplo dos romanos com os seus escravos, todos convertidos;
b) O sinal de uma igreja sadia é que os irmãos de classes sociais distintas convivam com igualdade e amor (Atos 2. 42-44);
c) Os títulos e a aristocracia devem ficar de fora do convívio da comunhão cristã (Tiago 2. 1-9).
Obs.: Condescender significa, ceder de boa vontade.

IV) Não sejais sábios aos vossos próprios olhos (Ver 16)
a) Paulo nos orienta que, o amor cristão elimina o orgulho e a presunção. O nosso modelo é o Senhor Jesus, que se humilhou, antes que fosse exaltado (Filipenses 2. 2-5);
b) É um perigo para o cristão começar a se comparar com seus irmãos e julgar-se melhor. Jesus foi quem disse: “aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração” (Mateus 11. 29). Se há algum motivo para se gloriar, que seja no Senhor (Gálatas 6. 14).

Conclusão:
A força da igreja reside em sua esperança. Paulo apresenta o motivo e a dinâmica para esta serena moderação nas palavras: “ Perto está o Senhor” (Filipenses 4. 5).

Escrito por

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário